Your address will show here +12 34 56 78
Raul Dória

Hoje, é notícia de que apenas 36% dos alunos do ensino secundário frequentam um curso profissional, quando a média na EU se situa nos 60%. 

 

Lembro que, a propósito do clamor do tecido empresarial e do país em geral, por recursos humanos qualificados a proclamação, feita há alguns anos, pelo Senhor Primeiro Ministro e pelo Ministro da Educação foi que a meta, a atingir em 2020, seria de 50% dos alunos do ensino secundário a frequentar a via profissionalizante. 

 

Pois o que aconteceu é que a taxa já atingiu os 43%, mas nos 2 últimos anos tem vindo a descer atingindo agora os 36%. Divergindo claramente do que ocorre na Europa. 

 

Há explicações para que isto aconteça? Há e são várias. 

 

Começando pela confirmação de que não basta estabelecer metas e esperar passivamente, ou ter fé, que elas sejam atingidas. 

 

Não basta que o Senhor Presidente da República e o Senhor Primeiro Ministro venham, uma vez por ano, enaltecer publicamente as virtudes, os méritos e as vantagens, para o jovem, do ensino profissional. E pronto, já está.  

 

Similar ao que se passa com o envelhecimento da população, pois não basta desafiar os casais a ter mais filhos e esperar que tal aconteça. 

 

Outra explicação assenta no facto de que ainda subsiste, em alguns agentes educativos: Diretores de Escolas e Agrupamentos, professoras(es), psicólogas(os), a ideia e opinião, percecionada pelos jovens, pelos pais e pela sociedade em geral, de que o ensino profissional está vocacionado para os alunos considerados (por muitas vezes erradamente) menos capacitados para concluir a escolaridade obrigatória, porque será mais fácil. Este preconceito assenta na ignorância acerca do que realmente é, como funciona e os resultados que ensino profissional obtém. 

 

Este preconceito continua a existir, ainda, em alguma opinião pública, pelo mesmo motivo: ignorância. Tanto mais grave quanto advém de alguns influenciadores, com acesso privilegiado e frequente aos meios de comunicação social com maiores audiências. Sobretudo vindo daqueles que estão convencidos que sabem de tudo ou, já agora como está na moda, acham que são especialistas em todas as matérias. 

 

E ainda uma outra explicação, por agora, que será o fator mais preponderante: a maioria das empresas que compõem o nosso tecido empresarial, não valoriza e não discrimina positivamente os jovens que obtêm uma qualificação profissional de nível IV, simultaneamente à conclusão do 12º ano de escolaridade. 

 

A via profissionalizante do ensino secundário não é mais fácil nem mais difícil do que a via ensino. São distintas, mas dão o mesmo resultado na vertente da escolaridade: 12º ano e acesso ao ensino superior. 

 

Mas a via profissionalizante confere ainda uma qualificação certificada para exercício de uma profissão, porque a formação assenta prioritariamente no “saber fazer” e não se fica pelo “saber saber”. E a via ensino não. 

 

Paulo Sousa – Diretor da Escola Profissional Raul Dória 

0

Raul Dória

Finalmente, vamos poder matar saudades!


A Raul Dória assinala hoje, dia 17 de Setembro, o inicio do ano letivo 2020/2021 com o acolhimento dos novos alunos.

 

As apresentações decorrerão nos seguintes horários:

 

  • 10:00 – 1º Técnico de Comércio

  • 11:30 – 1º Técnico de Organização de Eventos

  • 14:00 – 1º Técnico de Secretariado

  • 15:30 – 1º Técnico de Turismo

 

Amanhã, dia 18 de Setembro, irá receber os alunos dos 2º e 3º anos para uma sessão de apresentação e explicitação das novas regras de conduta devido à covid-19.

 

As apresentações decorrerão nos seguintes horários:

 

  • 10:00 – 2º e 3º Técnico de Comércio

  • 11:30 – 2º Técnico de Organização de Eventos e 2º e 3º Técnico de Turismo

  • 14:00 – 3º Técnico de Distribuição e 3º Técnico de Logística

 

 

Plano de Contingência


Como todos sabemos, atualmente vive-se uma situação de emergência de saúde pública de âmbito internacional, declarada pela Organização Mundial de Saúde, causada pela SARS-CoV-2, designada de COVID-19.

 

Os organismos internacionais e as autoridades nacionais de saúde vêm alertando a sociedade para a necessidade de adotar medidas de prevenção, proteção e combate face à mesma. 

 

Em linha com estas sugestões feitas e orientações recebidas, quer da Direção Geral dos Estabelecimentos Escolares (DGESTE) e quer da Direção Geral de Saúde (DGS) face ao novo ano letivo 2020/2021, foi elaborada a segunda versão do Plano de Contingência.

 

A Escola Profissional Raul Dória agradece e recomenda a leitura atenta e o cumprimento do mesmo por toda a comunidade escolar.

0

Raul Dória

A Agência Nacional para a Qualificação e o Ensino Profissional (ANQEP) atribuiu o selo de conformidade EQAVET, que é válido por um período de 3 anos, à Escola Profissional Raul Dória.

A escola vê, assim, concluído o processo de implementação de um Sistema de Garantia de Qualidade, alinhado com o Quadro de Referência Europeu de Garantia de Qualidade para o Ensino e a Formação Profissionais (Quadro EQAVET).

O Quadro de Referência Europeu de Garantia da Qualidade para a Educação e Formação Profissionais (Quadro EQAVET) é um instrumento obrigatório para as Escolas Profissionais, que permite documentar, desenvolver, monitorizar, avaliar e melhorar a eficiência da oferta de Educação e Formação Profissional.

Aproveitamos para agradecer o empenho de todos os profissionais neste processo!

0

Raul Dória

No dia 7 de fevereiro, toda a Comunidade Escolar teve direito a uma pequena formação dada pela Lipor.

 

O que é a Lipor?

 

A Lipor – Serviço Intermunicipalizado de Gestão de Resíduos do Grande Porto – é a entidade responsável pela gestão, valorização e tratamento dos Resíduos Urbanos produzidos pelos oito municípios que a integram: Espinho, Gondomar, Maia, Matosinhos, Porto, Póvoa de Varzim, Valongo e Vila do Conde.

 

Sustentada nos modernos conceitos de gestão de resíduos urbanos, que preconizam a adoção de sistemas integrados e a minimização da deposição de resíduos em aterro, a Lipor desenvolveu uma estratégia integrada de valorização, tratamento e confinamento dos resíduos urbanos, baseada em três componentes principais: Valorização Multimaterial, Valorização Orgânica e Valorização Energética, completadas por um Aterro Sanitário para receção dos rejeitados e de resíduos previamente preparados.

 

Serviço de Intervenção Ambiental Customizado (SIAC)

 

A Lipor tem um projeto intitulado Serviço de Intervenção Ambiental Customizado (SIAC) que visa a criação de hábitos de reciclagem junto de entidades públicas ou privadas de cariz social, educativo ou empresarial, tais como escolas, hospitais, entre outros organismos.

 

Este projeto que teve o seu início em 2019, pretende simultaneamente promover a adoção de boas práticas tocando assim em temáticas ambientais, comportamentais, de cidadania participativa e de responsabilidade social.

 

Numa primeira fase a Lipor realizou uma visita às nossas instalações com o intuito de perceber quais os nossos hábitos de reciclagem, para posteriormente sugerir alterações de metodologia.

 

Rumo à Sustentabilidade

 

Com o intuito de atuar de uma forma sustentada e focada na otimização e gestão de resíduos urbanos ou equiparados, a Lipor colocou em todas as salas de aula sacos amarelos e sacos azuis, tendo sido explicado aos alunos que o objetivo era diminuir o lixo comum e aumentar os sacos próprios para reciclagem.

 

Nos pisos comuns da nossa Escola, dispomos de depósitos próprios para colocar o vidro e, para depositar as pilhas, foram criados pontos estratégicos, como a sala de professores. Também nos foi explicado que a recolha de tampinhas é valorizada, uma vez que o valor é convertido em material ortopédico.

 

Relativamente à recolha seletiva de resíduos recicláveis, foi-nos explicado que existe o Projeto: Ecofone (iniciado em junho de 2000), que oferece um serviço de recolha em dia e hora a acordar.

 

Por agora, todos iremos tentar cumprir a “missão” que a Lipor nos atribuiu!

0